quinta-feira, 19 de outubro de 2017

sem título

enquanto o fumo do cigarro pensa 
eu vaporizo-me de um plasma aceso
tirar uma pausa
sem ter de fazer desconto de tempo
ao mesmo tempo que passa devagar
por entre a chuva lá fora o tempo
essa repetição em aceleração uniforme 
num movimento 
que 
não faço ideia 
se se parece mais com o do projéctil 
se com um linear
tendo porém por certo porque li num livro 
que é afectado pela gravidade
pela gravidade das coisas
e pela gravidade dos actos 
não há tempo que apague o passado 
não há tempo que leve o presente
todas as marcas são para sempre 

podemos não trazer na pele todas as cicatrizes
ou tatuagens
podemos não carregar as memórias
e ir largando por aí o lastro sobre as costas dos outros
podemos andar com relógio de bolso
sem hora certa
pendente de uma corrente
com azebre ou verdete
e nem por isso o porvir será livre de todas as nuvens
que já cruzaram o céu.

domingo, 15 de outubro de 2017

sábado, 14 de outubro de 2017

IV

na falta de cigarros
fiz um intra-venoso
destas nuvens de tempestade atlântica.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

argonautas

o atlântico segundo consta
foi cruzado pelos heróis condenados
em naus de sangue
mas foram os poetas portugueses 
que descobriram o caminho marítimo para lua.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

sem título

aqui chegados
eis que faltam os motivos 
para o amor grande
eis que nos falta o solo
para crescer
e o sol para erguer as folhas
verdejantes de clorofila
as nossas hastes já não são nada
além de pesados chifres 
onde só a custo alguém ergue bandeiras

confesso
que poucas paisagens me descobrem do chumbo líquido que me cobre
mas sorrio ao saber
que a humanidade nunca foi mais 
do que a carcaça do seu futuro.

titãs

nós somos os náufragos
deste navio 
o mundo é o aicebergue.

segunda-feira, 2 de outubro de 2017